Série: Sobrevivi à pós-graduação – Apaixone-se pelo tema

Arte de rua por Alessio B

Continuação do primeiro post dessa série que sugeri começar pelo tema.

Motivação é essencial. Em qualquer trabalho não somente na pós-graduação. Tenha certeza que ao escolher o projeto não se guie apenas pelo possível retorno financeiro que a área X terá sobre a Y. Lembre-se que terá que conviver com o assunto que escolher por 2  anos (mestrado) ou 4 anos (doutorado)! Esses prazos consideram a duração dos programas brasileiros. Fora do país os conceitos de pós-graduação são um pouco diferentes.

Quando entrei no mestrado não tinha ideia de um problema específico e contei com a sorte de ser convidada para um projeto quando estava encerrando as disciplinas e um pouco perdida sem saber para que lado ir. No fundo eu sabia que queria aplicar meus conhecimentos de computação à área de saúde, mas ainda não tinha ideia de como seria possível.

O projeto que fiz parte durante o mestrado era aplicado à engenharia civil. Aprendi uma técnica de homogeneização que permitia calcular as propriedades de materiais compósitos a partir das propriedades de cada parte componente utilizando matemática para fazer essa média aproximada. Como não sabia exatamente o que fazer na época, esse projeto foi perfeito. Aprendi muito com meus orientadores: uma engenheira civil e um cientista de computação. Tive trabalhos publicados a partir desse trabalho que me ajudaram a entrar no doutorado e conseguir realizar uma parte do doutorado no exterior. Eu não me considerava exatamente apaixonada pela aplicação em si, mas a técnica que aprendi poderia ser aplicada a outras áreas que não necessariamente a engenharia civil. 

E, na verdade aquele conhecimento foi essencial para realizar um segundo pós-doutorado no exterior, dessa vez na Itália. Dessa vez tive oportunidade de trabalhar no desenvolvimento de uma ferramenta para orquestrar a simulação de modelos multiescala para diagnóstico e prognóstico de tumores sólidos em que foi necessário desenvolver funções de homogeneização.

Quando decidi me inscrever para o doutorado tive oportunidade de mudar a área de aplicação e estudar métodos e técnicas novas o que realmente me motiva bastante. Sempre gostei de aprender coisas novas. No doutorado pesquisei modelos para representar infecções e a resposta do organismo utilizando equações diferenciais. Desenvolvi uma técnica de acoplamento de modelos e pude trabalhar com um modelo de infecção em um grande laboratório de pesquisa no exterior.

Se está lendo antes da pós-graduação: Lembre-se de definir um projeto que te instigue e te motive a buscar uma resposta. Siga um pouco o que sua intuição te diz.

Se está lendo durante a pós-graduação: No início é possível trocar o tema se for algo que esteja mais desgastante do que interessante. Pergunte-se se realmente gosta do assunto que está estudando ou se qualquer coisa parece mais importante do que o que tem que fazer agora. Lembre-se também que no dia a dia todo trabalho tem as partes chatas e, é importante não perder o foco no objetivo final. Lembre-se porque está fazendo isso.

Se está lendo depois: Olhe para trás e concorde comigo que é mais fácil quando escolhe um tema que realmente te motiva a querer saber mais. Se tiver uma opinião diferente deixe um comentário. E se acredita que esse texto pode ser útil a quem está começando, compartilhe!

2 comentários sobre “Série: Sobrevivi à pós-graduação – Apaixone-se pelo tema

Deixe esse post ainda mais útil! Escreva algo aqui.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s