Série: Sobrevivi à Pós-graduação – ebook!

Dicas rápidas para sobreviver à pós-graduação - ebook

Finalmente no recesso de final de ano consegui realizar algo que queria há muito tempo. Eu havia escrito uma série de dicas sobre pós-graduação quando terminei o doutorado em 2015 e queria transformar em um guia ou ebook. O tempo passou, e com outros compromissos essa ideia caiu no esquecimento.

Depois de um problema com a tela do computador em 2020, enquanto conferia o backup achei novamente esses textos que não me lembrava mais que tinha escrito. Recuperei os textos e postei 7 dicas aqui pelo blog nessa série “sobrevivi à pós-graduação”. Atualizei o que achei necessário e adicionei algumas fotos minhas mais recentes para ilustrar.

Para quem gostou dos textos postados por aqui, eu finalmente concluí o plano inicial e transformei todas as 19 dicas em um ebook. Disponível para download gratuito para quem usa o kindle unlimited ou por R$5,99:

Vou continuar postando outras dicas e tutoriais aqui no blog mas os outros textos dessa série são exclusivos do ebook.

Espero que seja útil! Deixem opiniões por aqui ou lá no site.

Serie: Sobrevivi à pós-graduação – Aprenda a pedir ajuda

Via Indipendenza em Bologna iluminada

Talvez você seja uma pessoa aberta a pedir ajuda sempre que se vê estagnado em alguma coisa e entende que toda pesquisa é feita de troca de informação. Essa dica é importante para o outro tipo de pessoa. Aquela que acha que tem que saber tudo e que ter dúvidas e fazer perguntas pode demonstrar uma fraqueza, que te faz menor ou inferior de alguma forma. Se você se identifica nesse momento com a segunda descrição continue lendo.

A primeira coisa que gostaria de reforçar nesse texto é que perguntar e pedir ajuda demonstra que você se importa e que está buscando aprender! Não estou falando para pedir ajuda a cada vírgula, mas para aqueles momentos que já tentou resolver um problema de mais de uma forma e continua tendo um problema… Nesses momentos fazer parte de um grupo de pesquisa ou frequentar um laboratório ajuda bastante. Pois muitas vezes o colega que está sentado no computador ao lado já passou por essa situação e poderá te ajudar. Se não fizer parte de um grupo, pode recorrer a comunidades online e escrever aos seus professores orientadores/supervisores.

Não espere passar o tempo para pedir ajuda. Aproveite todos os momentos da pós-graduação enquanto é considerado um período de formação para aprender. Afinal de contas, se já soubesse todas as respostas esse trabalho não seria necessário. É importante lembrar que atividades de pesquisa geralmente lidam com a fronteira do conhecimento e pode acontecer de ter que lidar com perguntas que ainda não tem uma resposta mesmo. Não se cobre excessivamente : )

Sempre que precisar, peça ajuda.

Se está lendo esse livro antes da pós-graduação: Perguntar e pedir ajuda demonstra que tem interesse. Vale para qualquer coisa que queira aprender.

Se está lendo esse livro durante a pós-graduação: Lembre-se que perguntar e pedir ajuda demonstra que tem interesse. Ah OK, exagerei no CTRL+C (copiar), CTRL+V (colar) mas espero que tenha entendido a ideia. Peça ajuda sempre que estiver agarrado em algum problema.

Se está lendo depois: Você se sentiu julgado por pedir ajuda? Você julgou alguém que te procurou para pedir ajuda?


Se achou util compartilhe!

Bom 2021 para todos!

Série: Sobrevivi à Pós-graduação – Tire férias!

letra da musica futura de Lucio Dalla

Escolhi essa dica, que acredito ser uma das mais importantes, para ser a última dessa série que compartilho em 2020. No post anterior falamos sobre ainda ser visto como estudante e, o fato é que a pós-graduação apesar de também ser uma etapa da vida profissional não é reconhecida como trabalho e sim, como parte da formação. E com isso, não contempla os direitos trabalhistas. 

Durante a escola e o período de graduação, fomos condicionados a seguir um calendário acadêmico baseado no período letivo, com aulas e, o período sem aulas naturalmente se tornava período de férias. 

Durante a pós-graduação não é bem assim. A ausência de aulas não implica naturalmente em férias. Depende das atividades que os professores passaram para serem entregues. Depende se já está trabalhando na dissertação/tese e, com isso sempre tem trabalho a ser feito. 

Infelizmente, existe uma cultura que valoriza trabalho após o horário comercial e durante os finais de semana. Que pessoalmente não recomendo, mas isso é assunto para outro tópico. 

Aqui, nesse momento, gostaria de dizer: combine férias com seu orientador. Já se programe desde o início. Veja quais são os períodos mais críticos de deadlines de entregas de artigos para conferências e de trabalhos para disciplinas e agende uma semana inteira de folga depois dessas entregas para descansar a mente. 

Nosso trabalho é muito mental e, precisamos estar com a mente descansada para conseguirmos pensar e ter novas ideias que acrescentam ao que estamos desenvolvendo durante a pesquisa. Se programe e tire férias!

Se achou útil, compartilhe.

Boas Festas!

Série: Sobrevivi à pós-graduação – Acostume-se com metas e prazos

Objetivos

Uma parte importante do trabalho acadêmico é comunicá-lo. Por isso devemos estar preparados a ter sempre prazos para submeter artigos para conferências e revistas científicas e, possivelmente, à preparar relatórios para reuniões com os orientadores.

Ter objetivos claros e utilizar um calendário pode ajudar bastante a se organizar. Seja um calendário de papel, agenda, planner ou calendário virtual. Já escrevi sobre o que me ajuda nesse post.

E, muito importante: não espere que a/o orientador/a te diga tudo o que você tem que fazer. Acredite que são pessoas ocupadas com várias coisas ao mesmo tempo. Você teoricamente, precisa se preocupar “só” com o seu projeto. Tome posse do seu projeto. Pense que enquanto estiver trabalhando nele ele é o “seu” projeto. Conheça e entenda o objetivo do seu projeto e realize as atividades que te ajudem a alcançar esse objetivo. Isso realmente é bastante específico e por isso ficou meio vago aqui.


Tentativa de exemplo da minha área: se preciso ajustar parâmetros de um modelo para representar dados experimentais, já sei que preciso conhecer o tipo de modelo, quais métodos já foram usados para fazer isso, quais são mais indicados para esse tipo de modelo, após definir o método, ou métodos que irei usar, devo programá-los e executá-los. E anotar todas as configurações utilizadas e resultados obtidos de forma a permitir repetição. Você deve saber os passos que precisa executar para o seu projeto. E, conforme aparecerem as dúvidas, procure ajuda do orientador ou colegas que já trabalharam com isso. Sempre existe uma solução.


Provavelmente você foi comunicado sobre os passos esperados nas reuniões iniciais e, caso não tenha anotado, não se lembre etc. pergunte a seu/sua orientador/a quais são os passos e as expectativas de publicação do trabalho que está realizando. E, organize-se de acordo com os prazos.

Se está lendo antes da pós-graduação: prepare-se para aprender a gerenciar a si mesmo e ter que lidar frequentemente com “prazos” para submissão de artigos para conferências e revistas e reuniões.

Se está lendo durante a pós-graduação: se ainda não começou, crie uma rotina separando horários para leituras, desenvolvimento dos experimentos e escrita. Frequentemente busque se informar das melhores revistas e conferências da sua área e acompanhe os cronogramas desses eventos. Prepare relatórios para reuniões no formato de apresentações. Dessa forma quando tiver que preparar apresentações para eventos não precisará começar do zero.

Se está lendo depois: tenho certeza que já está acostumado com metas depois de ter passado por uma pós-graduação. Eu queria ter implementado algumas dessas dicas enquanto ainda era estudante. Muitas coisas aprendi depois. Se acredita que essas informações são úteis compartilhe.

Série: Sobrevivi à pós-graduação – Permita-se mudar

Esse post faz parte de uma série de textos curtos com dicas pontuais sobre pós-graduação e está relacionado ao que comentei no final do tópico anterior. Espero que seja útil!


Não se prenda nem se sinta escravo de um tema que não te interessa. Mesmo que tenha prometido a um determinado pesquisador que gostaria de trabalhar com aquele assunto. É melhor ter certeza de que continua sendo interessante para você.

Se tiver certeza de que não é possível seguir com esse tema é melhor conversar o quanto antes com seu orientador sobre o assunto. Talvez ele possa te dar sugestões de modificações dentro da mesma área que sejam mais motivadoras para você. Ou talvez seja o caso de trazer outro orientador e outra área. O quanto antes isso for discutido melhor para todos os lados. Ninguém vai sair magoado se o assunto for tratado com respeito, responsabilidade e profissionalismo. Não vai dizer ao seu orientador que eu falei que tudo bem mudar de ideia a qualquer momento! Pense bem. Tenha certeza da sua decisão e converse abertamente.

No mestrado como o tempo é curto acho mais complicado mudar de tema, mas, no doutorado como temos mais tempo durante a pesquisa pode acontecer de surgir uma tese exatamente igual à que propôs no meio da sua pesquisa. Nesse caso terá que alterar o assunto da sua defesa para que não seja exatamente igual e incluir esse trabalho que surgiu na sua pesquisa bibliográfica. Acontece.

Se está lendo antes da pós-graduação: saiba que é possível mudar e não se sinta tão pressionado a saber o tema exato com todos os detalhes antes de começar. 

“Faça o melhor que puder até saber mais e quando souber mais, faça ainda melhor” 

MAYA ANGELOU

Se está lendo durante a pós-graduação: Analisa com cuidado como se sente com relação ao dia a dia. Falta de motivação e falta de vontade de ir para o laboratório podem ser um sinal de que talvez precise alterar algo na sua pesquisa. Talvez seja só um dia estranho. Pode ter outra questão relacionada a rotina que não seja necessariamente o tema. Dê um tempo e não se precipite. Se for preciso alterar converse com seu/s orientador/es antes de pensar em simplesmente sumir! Seja profissional sempre! Não se esqueça que é ok mudar, mas não é ok não dar satisfação.

Se está lendo depois: Se acredita que faltou algum ponto importante deixe um comentário! E se achou útil, compartilhe!